O Comum. por Murilo…

O termo comum é um adjetivo que quer dizer o mesmo que trivial ou vulgar – longe de mim, simples mortal, querer dar aula sobre qualquer parte da nossa bela língua portuguesa, assumo não ter a menor condição para isso, e também, a linguagem trata muito mais da forma do que do conteúdo das expressões, e o ponto aqui é o significado das palavras, isso é, o contudo que a palavra contém – e esses sinônimos básicos de comum vão servir de ponto de partida do texto a seguir, que tem como intenção gerar duvidas e fazer pensar.

Você que se define, ou que aceita que o definam, como pessoa comum, aceitaria que o definissem como pessoa vulgar? Você que se sente bem por fazer parte de uma comunidade, se sentiria bem por fazer parte de uma vulgaridade? Um dos sinônimos aceitos para vulgar é medíocre. Você que não se ofende com o termo comum se ofenderia com o termo medíocre?

Todo momento, em propagandas ou discursos de variadas espécies, há um apelo por “fazer diferente” ou por “ser você mesmo”; é fácil de ver gente por ai falando para você “fugir do comum”; esses apelos não causam estranheza? Quer dizer, tornou-se comum  não ser comum? Não haveria nascido assim uma falsa originalidade?

Mas o mais importante, e o que eu quero chamar a atenção, é que não há mais lugar para o incomum. O que é incomum hoje? Não existe mais música original, pintura original, discurso original, política original, moda original; não há mais aquele embate entre gerações, onde a atual subvertia a passada, criando assim algo novo, não há mais criação. O que existe hoje como expoente de diferença é só composição, mistura, ou, em outras palavras, reunião de várias partes pré-existentes, de um modo diferente, sem nenhuma parte nova, realmente nova. Acabou a criação? Acabou a criatividade? A humanidade se encontra numa fase de mera manutenção e expansão territorial, para todas as partes, das suas atividades. Hoje, podemos, no máximo, gostar do que foi incomum ou fazer igual ao que foi incomum.  E quando esses processos de composição não se sustentarem mais? E quando essa expansão chegar ao seu limite? Seremos todos a mesma coisa ¹ mesmo completamente diferentes.

¹Não encontrei um termo que correspondesse à minha idéia.

Anúncios

Deixe um comentário

Filed under opinião

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s